Pular para o conteúdo principal

A descoberta da gravidez (2º filho) ...

Esta semana, mais precisamente dia 08/09/2016, fez exatamente 01 ano que fiz o teste de gravidez (beta HCG) confirmando que estava a espera do meu segundo filho.
Como o tempo passa rápido de mais, hoje ele já esta com 4 meses e meio, gordinho, cheio de saúde, e não imaginamos mais nossa família sem ele.
Bom... me lembro que há  um ano atrás aguardei minha menstruação atrasar mais de uma semana para depois fazer o teste e como tem um laboratório na rua da minha casa então preferi fazer logo o exame de sangue, do que fazer aqueles testes de farmácia, não que não sejam seguros, mas... queria ter absoluta certeza do que estava acontecendo.
Fui fazer o exame acompanhada da minha irmã , e o resultado sairia no mesmo dia por volta das 17 horas e poderíamos retirar pela internet sem a necessidade de retornar ao laboratório.
Era um dia chuvoso e geladinho, nunca vou me esquecer do misto de medo e ansiedade que estava sentindo naquele dia.
O desejo de ter o segundo filho já estava em nosso coração mas não estávamos completamente decididos e nem planejando.
E para piorar a situação a energia acabou por volta das 16 horas, desci 11 andares de escada para biscar meu filho mais velho no colégio, e depois subimos os 11 andares novamente, uffa.
Quando acabava a energia era normal ficarmos algumas horinhas sem, mas depois ela voltava ao normal, mas dessa vez foi diferente, ela só voltou ao meio dia do dia seguinte.
Ficamos sem internet, sem telefone, fiz janta no escuro, e fiz um "acampamento" com meu filho na sala (ele não gosta de escuro), mas foi um momento divertido entre mãe e filho, porém não preguei o olho aquela noite, tamanha era minha ansiedade afinal não pude pegar o resultado do exame.
Depois que a energia voltou, fomos colocando as coisas em ordem aos poucos, mas a ansiedade me consumia, não conseguia comer direito, fiquei muito agitada, e eu estava meio resfriada, mas não queria tomar nenhum medicamento antes de receber o resultado do exame, então fiquei a base de chá de limão e mel.
Apesar do atraso de 8 dias exatamente, eu tinhas sintomas típicos de TPM, tipo: dor de cabeça, sensibilidade nos seios, barriga inchada e irritabilidade.
Fui fazer o exame mesmo pelo atraso porque não era normal todos aqueles dias em meu ciclo.
Pedi para minha irmã imprimir o exame e deixar com a minha mãe, que quando eu fosse levar meu filho ao colégio eu passava lá para buscar. Faltava coragem de entrar no site, aguardar a página carregar e descobrir o resultado.
Fui na casa da minha mãe, e ela me recebeu com os olhos marejados, já sabia que ali estava meu positivo, peguei o exame e li aquele numero grande confirmando que eu estava novamente grávida, bem que estes exames poderiam ser mais objetivos informando positivo ou negativo, mas aparece estes números que muitas vezes deixam algumas mamães confusas, mas não tinha como duvidar daquele numero.
Agora era dar a noticia ao meu marido e filho a noite, ele seria promovido então a irmão mais velho, e dar inicio ao pré-natal.
Não divulgamos imediatamente para toda família e amigos pois preferimos aguardar as 12 primeiras semanas, por precaução.
Assim começava então nossa jornada rumo ao segundo filho !!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo com filhos

Cada idade requer uma conversa apropriada, o modo de conversar vai depender muito da faixa etária em que seu filho está.

Por esse motivo eu costumo dizer que: Devemos ser uma mãe (ou pai) para cada filho. Não é tratar de maneiras diferentes, mas como os filhos são indivíduos com suas características e personalidade, devemos trata-los cada qual individualmente.

Aqui em casa, por exemplo, somos pais de dois meninos, um de 10 anos e outro de 1 ano e meio.

A diferença de idade entre eles é grande, e os pais que são pessoas adultas e maduras devem olhar como cada filho se sente em relação a isso. Por exemplo, o filho de 10 anos gostaria de ser tratado como um pré adolescente, gostaria que fosse lhe dado mais responsabilidades no dia a dia, mas sem  esquecermos que ele pode ter momentos de ciúmes do mais novo ou como um pré adolescente as vezes ele quer ser adulto demais, outras vezes ainda quer ser criança.

Já o filho de 1 ano e meio será tratado como um "bebe grande", que dá seu…

Tempo de jogar fora ou consertar ???

Hoje em dia estamos vivendo em tempos modernos, onde a moda agora é jogar fora aquilo que está quebrado ou não tem mais utilidade e comprarmos algo novo.

     Não estamos apenas falando de coisas ou objetos mas isso também serve para relacionamentos.

   Antigamente quando levávamos algo quebrado aos nossos pais e avós eles nos ensinavam a consertar, claro que isso leva tempo e disposição, pois não havia essa facilidade toda que temos hoje em adquirir coisas novas.

     Nos tempos de hoje, coisas e objetos estão banalizados, está muito fácil jogar fora do que doar um tempo consertando aquilo.

     Assim vemos que nossos filhos estão crescendo em um mundo onde não dão mais o valor devido as coisas e as pessoas, essa nova geração não está disposta ou muitas vezes nem aprendeu a consertar algo que quebrou ou reconstruir aquilo que um dia existiu.

    Falando em bens materiais, se hoje um brinquedo se quebra, os pais irão em uma loja adquirir outro para seu filho, já se esqueceram como…

Dizer não... Também é amar !!!

Quando nasce um bebê, um sentimento tão lindo e grandioso nasce em nossos corações. Um amor incondicional invade a vida das novas mamães e papais.

Quando bebês, eles são frágeis e totalmente dependente dos adultos responsáveis por eles, a medida que vão crescendo eles aprendem e adquirem habilidades novas, como sorrir, sentar, dialogar com os pais (mesmo que na linguagem deles), engatinhar ... e por aí vai, eles aprendem uma infinidade de coisas ao longo da vida.

Mas não se engane, esses pequenos vão crescendo e junto com isso vem uma capacidade que eles desenvolvem em testar os limites dos pais, não por maldade ou mal criação, mas pelo desenvolvimento natural do ser humano.

Nós não nascemos já sabendo o que é certo ou o que é errado, não sabemos nada ainda sobre regras, deveres e direitos, mas vamos descobrindo isso ao londo do nosso crescimento.

É importante estar ciente disso para nos prepararmos quando esta fase chegar, bebes são fofos porem crescem e é necessário impor limites.