Pular para o conteúdo principal

Amamentação...

A amamentação é um assunto super delicado, não é tão fácil como parece é um sonho de muitas mamães, por isso resolvi contar minha experiência pra vcs.
Quando meu primeiro filho nasceu eu li várias matérias sobre amamentação, perguntei tudo ao meu médico e achei que estava preparada para amamentar meu filho, mas a 9 anos atrás a internet é esse mundo de mamães blogueiras não estava assim em alta.
Eu estava enganada... meu filho nasceu, la na maternidade as enfermeiras "ensinaram" meio sem paciência como era a amamentação, era meu primeiro filho, eu estava com uma mistura de sentimentos, insegurança, ansiedade, muito amor,  apaixonada por aquele novo ser, mas o pós parto trás sentimentos que ninguém te conta na gravidez.
E meu bebe Mateus era um recém nascido meio afobado e sem paciência, ele chorava com fome, eu oferecia o peito pra ele e ele sugava (mas meu leite demorou pra descer) e ele não tinha paciência e continuava a berrar, a médica nos orientou a dar um pouco de leite fórmula no copinho, mas para o meu desespero ele engasgou, Que sufoco.
E a pressão do marido não me ajudou em nada, ele dizia que o bebê estava passando fome, e que era perigoso engasgar de novo,  então juntando todos os sentimentos do pós parto mais essa pressão eu cedi e sei o leite fórmula na mamadeira.
Eu oferecia sempre meu peito primeiro, ele sugava bem pouco e em seguida eu dava a mamadeira, bastou alguns dias e o Mateus ja rejeitava meu peito, não queria mais pegar de jeito nenhum, chorava sem parar ate eu dar a mamadeira, era bem mais  fácil sugar,  saia mais leitinho e como as pessoas dizem por aí, era uma "feijoada" pra ele e não uma saladinha como o leite da mamãe kkkkk.
Já na gravidez do meus segundo filho Tiago, eu estava decida a amamentar, então pesquisei muito, estudei tudo sobre o assunto e perguntei todas as informações ao meu médico.
Pois bem... a teoria nunca é igual a prática né, então o bebe nasceu e começamos nossa jornada da amamentação.
Tive parto cesárea, ficamos 12 horas separados pois a maternidade estava lotada e não havia quarto disponível, então deram uma dose de leitinho pra ele no berçário, fiquei  imaginando que aconteceria a mesma coisa que o primeiro filho.
Quando fomos para o quarto e ele veio para os meis braços as enfermeiras foram muito gentis e atenciosas colocando ele para mamar e eu tentando aprender como fazia.
O Tiago me mostrava ser um bebe recém nascido super fominha e ele era persistente, procurava meu peito, pegava, sugava bastante,  ficava satisfeito com o colostro é dormia.
E eu fiquei mais calma pois as enfermeiras me tranquilizaram dizendo que o colostro é rico e sustenta sim o bebe até o leitinho descer.
Recebemos alta no sábado e no domingo meu leite desceu... que alegria !!!
Dar de mamar e ver a boquinha dele toda sujinha de leite.
Mas tem tudo são mãe de rosa né... eu achava q estava tudo certo,  bebe mamando, arrotando e meu leite produZindo bastante.
Mas em uma semana meus seios racharam... meu Deus... uma das maiores dores que senti na vida, eu amamentava mordendo um paninho pra aguentar tamanha dor.
Passei a pomada de lanolina, usei o bico de silicone em um dos seios que estava mais machucado, e fui pesquisar loucamente na internet como eu corrigia a pega do bebe, porque era exatamente isso q estava causando as fissuras em meu seio.





Pesquisei vídeos, fotos, relatos de outras mães, blogueiras e até amigas minhas.
Em 30 dias a amamentação começou a se tornar prazerosa pra mim também, meu seio cicatrizou, não doía mais e o bebê mamava bastante.
Optei por dar de mamar em livre demanda então não tenho com o relatar aqui quanto o Tiago mamava por dia ou de quantas em quantas horas, mas foi a melhor coisa que  eu fiz por Ele, porque agente não sabe quanto de leite está saindo ou quantos ml o bebe tomou naquela mamada e oferecer sempre q ele quiser faz toda diferença.
É claro que a mamãe sofre principalmente no começo pois a nossa rotina fica em função da amamentação tem dias que parece q não vamos conseguir fazer nada só ficar dando de mamar.
Porém seu filho será bebe apenas uma vez na vida, essa fase deliciosa vai passar e você terá a vida inteira pra fazer outras coisas.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo com filhos

Cada idade requer uma conversa apropriada, o modo de conversar vai depender muito da faixa etária em que seu filho está.

Por esse motivo eu costumo dizer que: Devemos ser uma mãe (ou pai) para cada filho. Não é tratar de maneiras diferentes, mas como os filhos são indivíduos com suas características e personalidade, devemos trata-los cada qual individualmente.

Aqui em casa, por exemplo, somos pais de dois meninos, um de 10 anos e outro de 1 ano e meio.

A diferença de idade entre eles é grande, e os pais que são pessoas adultas e maduras devem olhar como cada filho se sente em relação a isso. Por exemplo, o filho de 10 anos gostaria de ser tratado como um pré adolescente, gostaria que fosse lhe dado mais responsabilidades no dia a dia, mas sem  esquecermos que ele pode ter momentos de ciúmes do mais novo ou como um pré adolescente as vezes ele quer ser adulto demais, outras vezes ainda quer ser criança.

Já o filho de 1 ano e meio será tratado como um "bebe grande", que dá seu…

Tempo de jogar fora ou consertar ???

Hoje em dia estamos vivendo em tempos modernos, onde a moda agora é jogar fora aquilo que está quebrado ou não tem mais utilidade e comprarmos algo novo.

     Não estamos apenas falando de coisas ou objetos mas isso também serve para relacionamentos.

   Antigamente quando levávamos algo quebrado aos nossos pais e avós eles nos ensinavam a consertar, claro que isso leva tempo e disposição, pois não havia essa facilidade toda que temos hoje em adquirir coisas novas.

     Nos tempos de hoje, coisas e objetos estão banalizados, está muito fácil jogar fora do que doar um tempo consertando aquilo.

     Assim vemos que nossos filhos estão crescendo em um mundo onde não dão mais o valor devido as coisas e as pessoas, essa nova geração não está disposta ou muitas vezes nem aprendeu a consertar algo que quebrou ou reconstruir aquilo que um dia existiu.

    Falando em bens materiais, se hoje um brinquedo se quebra, os pais irão em uma loja adquirir outro para seu filho, já se esqueceram como…

Dizer não... Também é amar !!!

Quando nasce um bebê, um sentimento tão lindo e grandioso nasce em nossos corações. Um amor incondicional invade a vida das novas mamães e papais.

Quando bebês, eles são frágeis e totalmente dependente dos adultos responsáveis por eles, a medida que vão crescendo eles aprendem e adquirem habilidades novas, como sorrir, sentar, dialogar com os pais (mesmo que na linguagem deles), engatinhar ... e por aí vai, eles aprendem uma infinidade de coisas ao longo da vida.

Mas não se engane, esses pequenos vão crescendo e junto com isso vem uma capacidade que eles desenvolvem em testar os limites dos pais, não por maldade ou mal criação, mas pelo desenvolvimento natural do ser humano.

Nós não nascemos já sabendo o que é certo ou o que é errado, não sabemos nada ainda sobre regras, deveres e direitos, mas vamos descobrindo isso ao londo do nosso crescimento.

É importante estar ciente disso para nos prepararmos quando esta fase chegar, bebes são fofos porem crescem e é necessário impor limites.