Pular para o conteúdo principal

Breve relato da gestação do Tiago!!!

A primeira coisa que fiz após o resultado de positivo do exame foi procurar um médico para começar meu pré Natal.
Porém... eu não ia imaginar que o nosso plano de saúde, tínhamos a mais de 5 anos, estava falindo.
Ou seja, liguei para alguns médicos e ninguém estava mais atendendo meu plano de saude.
Fiquei muito tensa mas com esperança que as coisas se resolvessem.
Porém com 7 semanas de gravidez tive uma secreção rosada que depois ficou marrom, me assutei pois tinha uma cólica leve desde o atraso menstrual então corremos para o hospital de emergência que era o único que ainda atendia o nosso plano.
Lá estava lotado, uma cidade grande como SP e a situação do convênio,  porém fomos atendidos, feito todos os exames necessários, então a médica me receitou Buscopan pra cólica e Dactil OB para prevenir aborto, igualzinho o que havia acontecido na gravidez do Mateus.
Porém la não tinha como fazer ultrassom  naquele momento e saímos com uma guia para ultra de emergência, pagamos em uma clínica particular e fizemos, era de extrema importância ver se estava tudo bem.
Foi uma emoção enorme ouvir pela primeira vez os batimentos cardíacos do meu segundo grande amor, ver que ele está ali bem implantado e tudo certinho Graças a Deus.
Fiquei com o coração aliviado, segui tudo o que a médica havia falado, medicamentos, restrição de algumas atividades, boa alimentação.
Porém era difícil manter a calma estando sem plano de saude.
Não queria nem imaginar  a  possibilidade de ter bebe na rede pública ou pagar um absurdo no particular, afinal sempre tivemos convênio e em dia com nossas obrigações.
Nosso desespero terminou final de outubro quando a empresa na qual meu marido trabalha migrou para outro convênio onde cobriria toda carência... uffa... só consigo ver as mais de Deus em cada detalhe cuidando da gente.
Assim pude dar continuidade ao pré natal, tudo ocorreu perfeitamente bem comigo e com o bebe, uma gravidez tranquila, eu tinha as tais contrações de treinamento mas nem chegava perto do que senti na gravidez do Mateus.
Fui descobrir que estava grávida do meu segundo menino com 22 semanas de gestação, no ultra morfológico de 2° trimestre... foi uma ansiedade esperar mas uma alegria imensa.
Há havia começado o enxoval em tons neutros, e começamos a ganhar coisinhas na cor azul.
A tarefa de escolher o nome foi bem complicada, mais difícil do que o primeiro filho, e dessa vez quem decidiu o nome foi o irmão. Escolheu Tiago que significa suplantador  (aquele que luta e vence).
Mas eu não sentia confiança na médica que estava me acompanhando,  agente não se entendia,  Eu não concordava com muitas coisas que ela falava e principalmente a respeito do parto, pois ela disse que não faria meu parto e que eu deveria ter bebe com o plantonista.
Puxa vida... pagava caro o plano, passei por todo esse estresse no começo, não me sentia confortável em ter bebe assim.
Não estou aqui julgando as pessoas que tiveram bebe na rede pública ou com plantonista, só estou expondo minha opinião e meus sentimentos em relação ao que estava vivendo.
Mas graças  as amizades que cultivAmos na vida, uma amiga querida me indicou o obstetra dela, imediatamente liguei para ele e agendei uma consulta, já estava com 32 semanas e mesmo assim ele me recebeu.
Contei toda história com todos os exames do pré Natal em mãos e o cartão da gestante com todas as informações possíveis.
Ele me tranquilizou, disse que estaria no meu parto, claro que particular, mas com a confiança que ele me passou e a segurança de estar sendo bem atendida valia muito a pena.
E o relato do parto vem no próximo post...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo com filhos

Cada idade requer uma conversa apropriada, o modo de conversar vai depender muito da faixa etária em que seu filho está.

Por esse motivo eu costumo dizer que: Devemos ser uma mãe (ou pai) para cada filho. Não é tratar de maneiras diferentes, mas como os filhos são indivíduos com suas características e personalidade, devemos trata-los cada qual individualmente.

Aqui em casa, por exemplo, somos pais de dois meninos, um de 10 anos e outro de 1 ano e meio.

A diferença de idade entre eles é grande, e os pais que são pessoas adultas e maduras devem olhar como cada filho se sente em relação a isso. Por exemplo, o filho de 10 anos gostaria de ser tratado como um pré adolescente, gostaria que fosse lhe dado mais responsabilidades no dia a dia, mas sem  esquecermos que ele pode ter momentos de ciúmes do mais novo ou como um pré adolescente as vezes ele quer ser adulto demais, outras vezes ainda quer ser criança.

Já o filho de 1 ano e meio será tratado como um "bebe grande", que dá seu…

Tempo de jogar fora ou consertar ???

Hoje em dia estamos vivendo em tempos modernos, onde a moda agora é jogar fora aquilo que está quebrado ou não tem mais utilidade e comprarmos algo novo.

     Não estamos apenas falando de coisas ou objetos mas isso também serve para relacionamentos.

   Antigamente quando levávamos algo quebrado aos nossos pais e avós eles nos ensinavam a consertar, claro que isso leva tempo e disposição, pois não havia essa facilidade toda que temos hoje em adquirir coisas novas.

     Nos tempos de hoje, coisas e objetos estão banalizados, está muito fácil jogar fora do que doar um tempo consertando aquilo.

     Assim vemos que nossos filhos estão crescendo em um mundo onde não dão mais o valor devido as coisas e as pessoas, essa nova geração não está disposta ou muitas vezes nem aprendeu a consertar algo que quebrou ou reconstruir aquilo que um dia existiu.

    Falando em bens materiais, se hoje um brinquedo se quebra, os pais irão em uma loja adquirir outro para seu filho, já se esqueceram como…

Dizer não... Também é amar !!!

Quando nasce um bebê, um sentimento tão lindo e grandioso nasce em nossos corações. Um amor incondicional invade a vida das novas mamães e papais.

Quando bebês, eles são frágeis e totalmente dependente dos adultos responsáveis por eles, a medida que vão crescendo eles aprendem e adquirem habilidades novas, como sorrir, sentar, dialogar com os pais (mesmo que na linguagem deles), engatinhar ... e por aí vai, eles aprendem uma infinidade de coisas ao longo da vida.

Mas não se engane, esses pequenos vão crescendo e junto com isso vem uma capacidade que eles desenvolvem em testar os limites dos pais, não por maldade ou mal criação, mas pelo desenvolvimento natural do ser humano.

Nós não nascemos já sabendo o que é certo ou o que é errado, não sabemos nada ainda sobre regras, deveres e direitos, mas vamos descobrindo isso ao londo do nosso crescimento.

É importante estar ciente disso para nos prepararmos quando esta fase chegar, bebes são fofos porem crescem e é necessário impor limites.