Pular para o conteúdo principal

Breve relato da minha gravidez do Mateus!!!

Depois que descobrimos a gravidez comecei o pré Natal.
Estávamos morando em SC e como ainda não conhecia os médicos da região fui em um indicado pela colega do trabalho.
Fiz todos os exames que ele pediu, vários de sangue, urina, e  um ultrassom de translucência  nucal.
Como eu descobri a gravidez por causa de uma dor nos rins, o médico me receitou Buscopan e Dactil OB para tomar em caso de cólicas e para prevenir um aborto.
Primeiramente tudo certo com os exames de sangue,  deveria tomar muita agua por conta dos cristais na urina e aguardanDo as 12 semanas para a ultra.
Fui fazer o ultrassom um pouco tensa pois como era a primeira gestação e é  um exame muito importante para detectar possível mal formação no bebe deixa qualquer mamãe de cabelo em pé.
Chegando lá tudo ocorreu super bem, as medidas estavam certas para a idade gestacional, só não esperava pela surpresa, a médica disse que tinha 80% de chance de ser um menino.
Não fazia a mínima ideia de que já dava para descobrir o sexo do bebe com apenas 12 semanas via ultrassom.
Mas sai de lá super feliz, fui caminhando de volta ao serviço e liguei para minha mãe para contar como tinha sido o exame e já falei que era quase certeza que estávamos á espera de um menino.
E assim seguimos tranquilo a gestação, começamos a comprar algumas coisinhas desde o começo e agora meu mundo era azul,  mesmo ainda não tendo 100% de certeza eu estava apaixonada pelo mundo dos meninos.
Fiz o ultrassom de 2° trimestre, foi confirmada a gestação de um menino, super saudável, feita todas as medições que são realizadas no ultrassom morfológico.
E depois da confirmação decidimos então o nome do nosso bebe... Mateus que significa presente de Deus.
Após o 6° mês de gravidez comecei a sentir umas contrações e meu médico disse que  se tratava de contrações de treinamento porém que qualquer coisa de anormal, como dores , eu deveria procura-lo imediatamente e assim foi durante um mês.
Mas quando completei exatamente 28 semanas, naquele dia o bebê estava muito agitado dentro de mim e as contrações estavam um pouquinho doloridas, quando a barriga ficava endurecida dava um desconforto no pé da barriga como se fosse uma cólica leve, liguei pro meu médico e fui ate o hospital onde ele estava de plantão.
Lá ele disse que  o bebê tinha virado de cabeça pra baixo e meu organismo estava tendo contrações de treinamento um pouco além da conta.
Então para prevenir tomei injeções de corticoide afim de fortalecer e amadurecer os pulmões dele é um medicamento que agora não me lembro o nome, para não entrar em trabalho de parto prematuro.
Fiquei super assustada, sabia que estava sendo bem assistida pela meu médico, tinha plena confiança  no trabalho dele, porém estávamos diante de um possível parto antecipado.
Corremos para terminar tudo, como o quartinho dele, enxoval e malas de maternidade para estarmos prontos se qualquer coisa acontece.
Não podia pegar peso, nem fazer caminhadas longas,  não fiquei de repouso porém tinha restrições de várias atividades.
Minha família sempre esteve ao meu lado e meu ajudou em cada detalhe .
As semanas foram se passando, com consultas mais próximas, sempre ouvindo o coração do bebe e exame de toque pra verificar o colo do útero.
Com 36 semanas fiz o último ultrassom, tudo certo com o bebe, virado de cabeça para baixo mas não encaixado, tudo normal com o bebe porém ele estava pequeno para a idade gestacional , minha placenta em grau 3 (madura) e o médico do ultrassom disse que tinha risco de calcificação  (não sei o que isso significa) ele me o instruiu a procurar meu médico para verificar o que seria feito, pois segundo ele o bebê não estava mais crescendo dentro do útero.
Liguei pro meu médico,  ele estava lá no RJ e mesmo a distancia marcou a cesárea para a semana que eu completava 38 semanas de gestação.
E o relato do parto fica para o próximo post...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo com filhos

Cada idade requer uma conversa apropriada, o modo de conversar vai depender muito da faixa etária em que seu filho está.

Por esse motivo eu costumo dizer que: Devemos ser uma mãe (ou pai) para cada filho. Não é tratar de maneiras diferentes, mas como os filhos são indivíduos com suas características e personalidade, devemos trata-los cada qual individualmente.

Aqui em casa, por exemplo, somos pais de dois meninos, um de 10 anos e outro de 1 ano e meio.

A diferença de idade entre eles é grande, e os pais que são pessoas adultas e maduras devem olhar como cada filho se sente em relação a isso. Por exemplo, o filho de 10 anos gostaria de ser tratado como um pré adolescente, gostaria que fosse lhe dado mais responsabilidades no dia a dia, mas sem  esquecermos que ele pode ter momentos de ciúmes do mais novo ou como um pré adolescente as vezes ele quer ser adulto demais, outras vezes ainda quer ser criança.

Já o filho de 1 ano e meio será tratado como um "bebe grande", que dá seu…

Tempo de jogar fora ou consertar ???

Hoje em dia estamos vivendo em tempos modernos, onde a moda agora é jogar fora aquilo que está quebrado ou não tem mais utilidade e comprarmos algo novo.

     Não estamos apenas falando de coisas ou objetos mas isso também serve para relacionamentos.

   Antigamente quando levávamos algo quebrado aos nossos pais e avós eles nos ensinavam a consertar, claro que isso leva tempo e disposição, pois não havia essa facilidade toda que temos hoje em adquirir coisas novas.

     Nos tempos de hoje, coisas e objetos estão banalizados, está muito fácil jogar fora do que doar um tempo consertando aquilo.

     Assim vemos que nossos filhos estão crescendo em um mundo onde não dão mais o valor devido as coisas e as pessoas, essa nova geração não está disposta ou muitas vezes nem aprendeu a consertar algo que quebrou ou reconstruir aquilo que um dia existiu.

    Falando em bens materiais, se hoje um brinquedo se quebra, os pais irão em uma loja adquirir outro para seu filho, já se esqueceram como…

Dizer não... Também é amar !!!

Quando nasce um bebê, um sentimento tão lindo e grandioso nasce em nossos corações. Um amor incondicional invade a vida das novas mamães e papais.

Quando bebês, eles são frágeis e totalmente dependente dos adultos responsáveis por eles, a medida que vão crescendo eles aprendem e adquirem habilidades novas, como sorrir, sentar, dialogar com os pais (mesmo que na linguagem deles), engatinhar ... e por aí vai, eles aprendem uma infinidade de coisas ao longo da vida.

Mas não se engane, esses pequenos vão crescendo e junto com isso vem uma capacidade que eles desenvolvem em testar os limites dos pais, não por maldade ou mal criação, mas pelo desenvolvimento natural do ser humano.

Nós não nascemos já sabendo o que é certo ou o que é errado, não sabemos nada ainda sobre regras, deveres e direitos, mas vamos descobrindo isso ao londo do nosso crescimento.

É importante estar ciente disso para nos prepararmos quando esta fase chegar, bebes são fofos porem crescem e é necessário impor limites.