Pular para o conteúdo principal

Chupeta dar ou não?

Essa é uma questão bem complexa mas eu tenho a opinião de que cada pai e mãe sabe o que é melhor para o seu filho, então não vamos discutir aqui se está certo ou não oferecer chupeta ao filho, mas sim vou relatar minha experiência para que possamos trocar informações.
Eu ofereci chupeta aos meus dois filhos mais nenhum deles pegou.
Eu comprei chupetas durante o enxoval, inclusive comprei aqueles prendedores de chupeta e naninhas que tem espaço para colocar a chupeta, ou seja, eu estava decida a oferece-la aos meus filhos.
Minhas razões são:  acho que chupetas acalmam os bebês durante períodos de cólicas, alguns bebês adormecem mais rápido utilizando a chupeta, acalma na ansiedade de separação,  é ótimo para distrair o bebê quando se Está fora de casa e acredito que também dê uma ajudinha quando os dentes começam a nascer.
Então eu tinha razões de sobra para oferecer chupeta aos meus filhos.
Com o primeiro filho ofereci assim que cheguei em casa pois a maternidade não me autorizou a oferecer lá, ele recusou, sempre que colova na boquinha dele ele soltava ou cuspia, fui insistindo e nada dele pegar, até começar a sentir ânsia cada vez que eu colocava na boca dele, então com uns 15 dias de vida eu desisti da chupeta, joguei fora e nunca mais ofereci a ele.
Agora no segundo filho fiz a mesma coisa, ofereci apenas quando chegamos em casa após a alta da maternidade, ele também não pegava, mas dessa vez eu fui pesquisando na internet e comprei vários modelos que as pessoas me indicaram dizendo serem ótimos, dos mais baratos aos mais caros, inclusive tem uma chupeta da marca MAM que ele até ficava com ela alguns segundos na boca e depois cuspia.
Ele também sentou ânsia com alguns modelos de chupeta e outros ele apenas cuspia, mas se eu ficasse insistindo ele chorava.
Fui diminuindo Minha insistência aos poucos, oferecendo mais nas cólicas ou pra dormir e mesmo assim nada.
Hoje ele já está  com 6 meses, ainda tenho algumas guardadas mas agora já acredito que  está decidido que ele não irá pegar chupeta.
Por um lado é bom porque não vou ter todo aquele processo de tirar a chupeta quando eles crescem mais posso dizer que passei poucas e boas para acalma-Los sem a bendita chupeta.



Mas cada mãe e cada filho com seu jeitinho todo especial de ser...
Até a próxima: -)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo com filhos

Cada idade requer uma conversa apropriada, o modo de conversar vai depender muito da faixa etária em que seu filho está.

Por esse motivo eu costumo dizer que: Devemos ser uma mãe (ou pai) para cada filho. Não é tratar de maneiras diferentes, mas como os filhos são indivíduos com suas características e personalidade, devemos trata-los cada qual individualmente.

Aqui em casa, por exemplo, somos pais de dois meninos, um de 10 anos e outro de 1 ano e meio.

A diferença de idade entre eles é grande, e os pais que são pessoas adultas e maduras devem olhar como cada filho se sente em relação a isso. Por exemplo, o filho de 10 anos gostaria de ser tratado como um pré adolescente, gostaria que fosse lhe dado mais responsabilidades no dia a dia, mas sem  esquecermos que ele pode ter momentos de ciúmes do mais novo ou como um pré adolescente as vezes ele quer ser adulto demais, outras vezes ainda quer ser criança.

Já o filho de 1 ano e meio será tratado como um "bebe grande", que dá seu…

Tempo de jogar fora ou consertar ???

Hoje em dia estamos vivendo em tempos modernos, onde a moda agora é jogar fora aquilo que está quebrado ou não tem mais utilidade e comprarmos algo novo.

     Não estamos apenas falando de coisas ou objetos mas isso também serve para relacionamentos.

   Antigamente quando levávamos algo quebrado aos nossos pais e avós eles nos ensinavam a consertar, claro que isso leva tempo e disposição, pois não havia essa facilidade toda que temos hoje em adquirir coisas novas.

     Nos tempos de hoje, coisas e objetos estão banalizados, está muito fácil jogar fora do que doar um tempo consertando aquilo.

     Assim vemos que nossos filhos estão crescendo em um mundo onde não dão mais o valor devido as coisas e as pessoas, essa nova geração não está disposta ou muitas vezes nem aprendeu a consertar algo que quebrou ou reconstruir aquilo que um dia existiu.

    Falando em bens materiais, se hoje um brinquedo se quebra, os pais irão em uma loja adquirir outro para seu filho, já se esqueceram como…

Dizer não... Também é amar !!!

Quando nasce um bebê, um sentimento tão lindo e grandioso nasce em nossos corações. Um amor incondicional invade a vida das novas mamães e papais.

Quando bebês, eles são frágeis e totalmente dependente dos adultos responsáveis por eles, a medida que vão crescendo eles aprendem e adquirem habilidades novas, como sorrir, sentar, dialogar com os pais (mesmo que na linguagem deles), engatinhar ... e por aí vai, eles aprendem uma infinidade de coisas ao longo da vida.

Mas não se engane, esses pequenos vão crescendo e junto com isso vem uma capacidade que eles desenvolvem em testar os limites dos pais, não por maldade ou mal criação, mas pelo desenvolvimento natural do ser humano.

Nós não nascemos já sabendo o que é certo ou o que é errado, não sabemos nada ainda sobre regras, deveres e direitos, mas vamos descobrindo isso ao londo do nosso crescimento.

É importante estar ciente disso para nos prepararmos quando esta fase chegar, bebes são fofos porem crescem e é necessário impor limites.