Pular para o conteúdo principal

Mala maternidade

Quando eu estava com 8 meses de gestação fomos conhecer a maternidade onde ganharia nosso bebe, hospital e maternidade Santa Joana no bairro Paraíso em SP capital.
Lá eles me entregaram uma lista onde estava descrito as coisas que eu deveria levar na mala do bebê e na mala da mamãe.
Estava descrito que para o bebe eu deveria levar 6 trocas de roupas completas e um chale ou cobertor dependendo da estação, itens de higiene não eram necessários pois a maternidade disponibilizava.
Para a mamãe deveria levar 3 camisolas ou pijamas e os itens de higiene pessoal.
Pois bem... segui a risca o que a maternidade havia solicitado, e é claro que exagerei um pouquinho.
Levei para o Meu bebe 6 trocas de roupas completas, ou seja, macacão,  body,  calca, meia , Luva e gorrinho.
Como estava calor mas já estávamos no outono optei por levar uma manta de lã e um xale de malha.
Levei uma toalha de banho e alguns produtos para ele mesmo a maternidade dizendo que não seria necessário.
Coloquei na mala fraldas de pano, a roupinha de saída maternidade,  o quadrinho da porta, lembrancinhas e a almofada de amamentação.
Para mim eu levei 3 trocas de roupa Para dormir é super confortáveis, toalha de banho, itens de higiene como sabonete, shampoo, escova e pasta de dente, escova de cabelo, etc... mesmo que a maternidade disponibilize é sempre bom estar com as suas coisinhas e seus cheirinhos por perto né.
Usei absorventes noturnos,  não vi a necessidade de comprar aqueles para pós parto.
Sutiã de amamentação, calcinhas de malha mais altas e confortáveis, não usei conta pós parto  ( falo sobre isso melhor no post sobre o meu pós parto).
E por último chinelos,  um de pano para o quarto e um de borracha.
É claro que não usei tudo o que levei mas achei importante levar tudo o que me deixasse segura, porque se precisasse estaria a mão .
Uma dica importante que não usei na primeira gestação mas usei na segunda e foi super útil foi separar as roupinhas do bebê em saquinhos próprios para isso e coloque etiquetas com o nome do bebê e o número da troca de roupa, assim facilitou ao papai e as enfermeiras na hora de trocarem o bebe.



Espero que este post seja útil a você que está nesse momento de ansiedade e preparação para conhecer seu grande amor.
Até a próxima: -)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diálogo com filhos

Cada idade requer uma conversa apropriada, o modo de conversar vai depender muito da faixa etária em que seu filho está.

Por esse motivo eu costumo dizer que: Devemos ser uma mãe (ou pai) para cada filho. Não é tratar de maneiras diferentes, mas como os filhos são indivíduos com suas características e personalidade, devemos trata-los cada qual individualmente.

Aqui em casa, por exemplo, somos pais de dois meninos, um de 10 anos e outro de 1 ano e meio.

A diferença de idade entre eles é grande, e os pais que são pessoas adultas e maduras devem olhar como cada filho se sente em relação a isso. Por exemplo, o filho de 10 anos gostaria de ser tratado como um pré adolescente, gostaria que fosse lhe dado mais responsabilidades no dia a dia, mas sem  esquecermos que ele pode ter momentos de ciúmes do mais novo ou como um pré adolescente as vezes ele quer ser adulto demais, outras vezes ainda quer ser criança.

Já o filho de 1 ano e meio será tratado como um "bebe grande", que dá seu…

Tempo de jogar fora ou consertar ???

Hoje em dia estamos vivendo em tempos modernos, onde a moda agora é jogar fora aquilo que está quebrado ou não tem mais utilidade e comprarmos algo novo.

     Não estamos apenas falando de coisas ou objetos mas isso também serve para relacionamentos.

   Antigamente quando levávamos algo quebrado aos nossos pais e avós eles nos ensinavam a consertar, claro que isso leva tempo e disposição, pois não havia essa facilidade toda que temos hoje em adquirir coisas novas.

     Nos tempos de hoje, coisas e objetos estão banalizados, está muito fácil jogar fora do que doar um tempo consertando aquilo.

     Assim vemos que nossos filhos estão crescendo em um mundo onde não dão mais o valor devido as coisas e as pessoas, essa nova geração não está disposta ou muitas vezes nem aprendeu a consertar algo que quebrou ou reconstruir aquilo que um dia existiu.

    Falando em bens materiais, se hoje um brinquedo se quebra, os pais irão em uma loja adquirir outro para seu filho, já se esqueceram como…

Dizer não... Também é amar !!!

Quando nasce um bebê, um sentimento tão lindo e grandioso nasce em nossos corações. Um amor incondicional invade a vida das novas mamães e papais.

Quando bebês, eles são frágeis e totalmente dependente dos adultos responsáveis por eles, a medida que vão crescendo eles aprendem e adquirem habilidades novas, como sorrir, sentar, dialogar com os pais (mesmo que na linguagem deles), engatinhar ... e por aí vai, eles aprendem uma infinidade de coisas ao longo da vida.

Mas não se engane, esses pequenos vão crescendo e junto com isso vem uma capacidade que eles desenvolvem em testar os limites dos pais, não por maldade ou mal criação, mas pelo desenvolvimento natural do ser humano.

Nós não nascemos já sabendo o que é certo ou o que é errado, não sabemos nada ainda sobre regras, deveres e direitos, mas vamos descobrindo isso ao londo do nosso crescimento.

É importante estar ciente disso para nos prepararmos quando esta fase chegar, bebes são fofos porem crescem e é necessário impor limites.